“Mobile, realidade virtual e Big Data são o futuro imediato”

“Mobile, realidade virtual e Big Data são o futuro imediato”

A última edição da FITUR tornou-se um quadro perfeito para que Javier Silvestre, diretor-geral da Idiso, comentasse numa entrevista com TecnoHotel, os novos produtos apresentados na feira e sua visão do futuro próximo da indústria hoteleira, assim como determinar e analisar os principais valores e ferramentas com que a Idiso pode trazer valor acrescentado para aos seus clientes. Uma entrevista interessante que reproduzimos abaixo.

image006

Quais são as novidades que apresentou a Idiso na Fitur?

A Fitur nos serviu para apresentar o nosso novo posicionamento da marca. A mudança de marca não se refere apenas a um novo design, mas há toda uma filosofia por trás dessa mudança. Este símbolo ampersand representa a união, o compromisso que temos com os nossos partners: clientes, os profissionais que formam Idiso e os fornecedores. Esse compromisso se reflete na nossa nova missão, que é The Global Hotels Sales Partner. Queremos dar um salto e ir além da tecnologia pura. Hoje em dia, a mesma tornou-se uma commodity, incluindo a tecnologia de distribuição hoteleira e temos de ser capazes de trazer valor aos nossos clientes. Não é suficiente com ter uma tecnologia muito potente e muito robusta e altamente funcional, se e a mesma não serve para que os nossos clientes hoteleiros possam vender mais e melhor e proporcionar melhores resultados económicos.

Então, o que deve ser feito por um hotel para obter melhores resultados económicos com os meios que hoje tem à sua disposição?

Para esta nova missão, tivemos que fazer uma nova mudança na estrutura da empresa. Criar duas áreas críticas, fundamentais para a nossa razão de ser. Por um lado, a Idiso Digital, que parte dos uns dos serviços de consultoria, analisando a situação actual do hotel ou cadeia hoteleira, nos seus canais de distribuição e ver onde pode chegar dentro de três anos. E depois, uma série de serviços relacionados com o marketing digital ou com a publicidade digital: remarketing, retargeting, compra programática, modelos de atribuição. Ferramentas que visam alcançar maior eficiência, maior rentabilidade para os investimentos feitos em marketing digital. E hoje em dia sabemos que isto é forçado, mais do que tudo porque o consumidor é digital. Para já , o nativo digital é somente digital e você não pode estar fora do seu campo.

E, por outro lado, a Inovação. Para nós, a Inovação é ver o que todo mundo vê, pensar o que algumas pessoas pensam e fazer o que ninguém faz. Nesta área, estamos à procura de ferramentas, processos que agregam valor ao cliente salientava antes. O que buscamos é uma combinação perfeita entre a Idiso Inovação e a Idiso Digital, através do Revenue Management, informação de gestão, do banco de dados do hotel que saem do PMS. Também através de bancos de dados externos, que combina para dar mais informações para a gestão hoteleira antes de tomar decisões. E que tudo isto irá ajudá-lo , como eu disse, para cumprir a nossa missão para que o hotel venda mais, melhor e que tenhas melhores resultados.

De acordo com sua opinião, quais são os desafios que hoteleiros enfrentam nesta nova era? Entendem a linguagem que se sendo utilizada com eles?

Ora, não é uma questão de linguagem ou de conceitos. É um pouco de recursos. Eu acho que o mundo de distribuição hoteleira mudou muito nos últimos dez anos, os perfis dos recursos humanos que trabalham nos hotéis também mudaram. Hoje em dia são necessários outro tipo de perfis. E talvez seja nesta matéria , onde, os hotéis e as cadeias hoteleiras de médio ou pequeno porte não evoluíram o necessário. Mas também é aí onde nos estamos, podemos suplementar essas capacidades que atualmente não têm e incluso podemos formar seus recursos atuais para que possam assumir essas funções no futuro.

E os hoteleiros, em geral, têm assimilado estes conceitos digitais?

O hoteleiro compreende. Na verdade a maioria evoluiu desde cinco anos atrás, de uma maneira espetacular em tudo relacionado com o mundo digital. Atualmente não há qualquer reticência. Eu acho que todos hoteleiros, incluso as cadeias especializadas em resorts, com muito movimento de operadores turísticos, já perceberam que ou investem na área de vendas diretas, na presença ativa no mundo digital (porque o cliente é exigente e é diz: “Quero te ver”) ou se não podem comprometer o seu futuro a médio e longo prazo.

O que vislumbra para o futuro próximo, no campo da tecnologia?

Sem dúvida, a revolução que já se está a viver é o tema da «mobilidade». Tele móveis e realidade virtual, o uso do que se conhece como Big Data para realizar uma política de marketing digital de «one to one» são três áreas fundamentais de desenvolvimento nos próximos anos.

Precisamente sobre Big Data, nas exposições de FiturtechY ficou claro que não é válido só recolher uma grande quantidade de dados de usuários, a grande dificuldade está em discernir o que é realmente útil para aplica-lo a uma melhor experiência do cliente. O que propõe a sua empresa neste campo?

De todos os serviços que prestamos dentro Idiso Digital, dentro da compra programática, do remarketing, realmente o que estamos usando é parte deste Big Data, trazê-lo, aplicá-la, misturando-o com bancos de dados diferentes, de clientes diferentes, tentando identificar da melhor forma possível o cliente-alvo para o hotel em questão.

Quais são os resultados obtidos?

Estamos muito satisfeitos com o crescimento que temos tido. De acordo com o nosso plano estratégico 2016-2018, o ano passado foi muito importante, foi um ano de consolidação dos conceitos de criação, de formação e de começar a oferecer aos nossos clientes, este novo modelo. Estamos muito satisfeitos porque consolidamos e fechamos o ano com melhores resultados que do ano anterior. E as previsões para 2017 sobre a carteira de clientes são de um crescimento importante. Continuamos a consolidar o facto de ser uma referência, de ser líderes no campo da distribuição hoteleira neste país, até mesmo na América Latina.